segunda-feira, 24 de julho de 2017

Técnicas do Observador

SINOPSE - Wook

Técnicas do Observador oferece uma perspectiva única sobre a construção histórica da visão e as origens da cultura visual moderna. Partindo da análise de vários dispositivos ópticos do século xix, Jonathan Crary demonstra como a formatação da visão é indissociável de uma operação de normativização do sujeito observador em termos de produção laboral e consumo visual.
Uma reflexão inovadora e interdisciplinar que se tornou uma obra indispensável para entender o modo como a modernidade visual se impõe até à contemporaneidade, particularmente através da consolidação das imagens técnicas.

SOBRE O AUTOR
Jonathan Crary

Jonathan Crary é crítico de arte e professor no Departamento de História da Arte na Universidade de Columbia em Nova Iorque. Referência incontornável no pensamento da cultura visual moderna, o autor reflecte sobre a gestão da atenção e da percepção no contexto da economia capitalista.

Não deixes para amanhã o que podes discutir hoje



Helena Matos
OBSERVADOR


Há 45 anos, ciganos e cabo-verdeanos colocaram a Amadora em pé de guerra. Na época culpou-se a censura pela ausência de notícias. E agora culpa-se quem?

domingo, 23 de julho de 2017

Américo Amorim, o “rei da cortiça”

Por: Costa Pereira Portugal, minha terra

Metem-me impressão haver quem diga mal daqueles que pelo seu dinamismo e espírito empreendedor atingem posição destacada nos sectores do comercio, industria ou financeiro, criando honestamente riqueza e postos de trabalho. Neste capitulo, distinguiu-se Américo Ferreira de Amorim, um filho de Mozelos ( Santa Maria da Feira), nascido a 21 de Julho de 1934 e que faleceu a 13 de Julho de 2017. O seu funeral foi no sábado, dia 15, pela manhã, com missa de corpo presente no Mosteiro de Grijó. 
Nunca lhe contei o dinheiro, mas dizem os coscuvilheiros era o homem mais rico de Portugal. Também ele não se considerava rico e em certo número do Jornal de Negócios, de 2011 deixou esta frase: "Eu não me considero rico. Sou trabalhador”. E disso também estou convencido. Terminado o Curso Geral do Comercio, entrou na empresa corticeira da família, que já remonta a meados do séc. XIX. Com seus irmãos fundou a Corticeira Amorim, e posteriormente responsável executivo da holding Corticeira Amorim. Noutra holding, a Amorim – Investimentos e Participações, alargou os seus investimentos a outros sectores, como: energia, turismo e finanças, sendo um dos mais destacados accionistas do Banco BIC Português, a terceira maior instituição bancaria de Angola.
Individualmente concentrou importantes participações na Galp Energia e no Banco Popular Espanhol, onde era accionista. Educado no seio de uma família cristã, Américo Amorim a respeito da sua actividade disse ao jornalista Nicolau Santos: “O meu descanso é o trabalho, o meu prazer é investir” . Pai de três filhas, Paula, Marta e Luísa, cabe à Paula Amorim a missão de liderar um império de cerca de quatro mil milhões de euros. Que as pisadas do pai sejam rigorosamente respeitadas e a sua memória honrada.

sábado, 22 de julho de 2017

Presidente da República participa na antologia transmontana com texto dirigido aos transmontanos, durienses e beirões transmontanos


Sua Exª o Senhor Presidente da República, Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, enviou texto para a antologia transmontana, dirigido aos transmontanos, durienses e beirões transmontanos.
O texto que segue, de nossa lavra, publicado no “Notícias da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa”, a sair no mês de Agosto, incrusta, em síntese, os pressupostos da mesma.


Jogo da Glória: regras e regulamentos


Alberto Gonçalves - OBSERVADOR


Na sua página do Facebook, um comentador lembra-lhe educadamente que, além de outras interessantes peculiaridades “culturais”, os ciganos também acham a homossexualidade uma “anomalia. Recue uma casa

Gentil Martins e o Juramento de Hipócrates


O Professor Gentil Martins deu uma entrevista ao Expresso. E uma simples opinião aí registada sobre os homossexuais, transcrita em duas linhas, provocou um estado de exaltação por parte de gente cujo “ego” é do tamanho de um icebergue. Arautos (as) da democracia, julgam-se donos (as) da verdade. E a tudo atestam uma Constituição obsoleta, para imporem as suas ideias totalitárias (nazis, fascistas e estalinistas), fruto de uma Administração Pública corrupta que mina uma sociedade que tudo tinha para prosperar.
Ao contrário do que essa gente diz, o Professor não professou nenhuma ideia contrária ao que está expresso na Constituição. Apenas alvitrou uma opinião de acordo com o que está explicito na mesma: liberdade de expressão. Fundamentada num conhecimento cientifico que domina. E que jurou cumprir quando iniciou funções ainda jovem – O Juramento de Hipócrates. Cujas versões [a de 1771, HIPOCRATIS OPERA VERA ET ADSCRIPTA Tomus Quartus, pág: 197-198-199, Lausanne MDCCLXXI   e a adaptada da Fórmula de Genebra e adoptada pela Associação Médica Mundial em 1983] foram publicadas na Internet, em PDF, pela Ordem dos Médicos.
E segundo estas versões, nada a apontar ao Professor Gentil Martins em termos éticos (que é o que deve interessar), logo, nada a apontar em termos políticos segundo a versão clássica (dos Antigos) – Aristóteles, Platão, Cícero, … - ou dos Modernos (Voltaire, Montesquieu, Calhoun, Rousseau, Burke, Sieyes, Fichte, e por aí adiante).

Nota de fim de página:

Pessoalmente, deste célebre juramento atribuído a Hipócrates, preferimos a versão de Jostein Gaarder, o criador d’ O Mundo de Sofia.


Estado da Nação


Em Negócios da Semana, na SIC, foi analisado o Estado da Nação. Ouçam e meditem.

Foram entrevistados Henrique Neto, João salgueiro, João Ferreira do Amaral, Clemente Pedro Nunes e Tiago Caiado Guerreiro.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Épico de Gilgameš

SINOPSE - Assírio & Alvim

Geralmente considerado o mais antigo poema longo a chegar até aos nossos dias, este épico da Mesopotâmia tem uma história de cerca de 4.000 anos. Fala dos fascinantes e comoventes feitos heróicos de Gilgamesh e da sua busca solitária da imortalidade. A presente edição apresenta aos leitores portugueses uma tradução erudita, assinada por Francisco Luís Parreira, com introdução, aparato crítico e glossário.





Aquele que testemunhou o abismo, as fundações da terra,
experiente de caminhos, em tudo era sábio!
Gilgameš, que testemunhou o abismo, as fundações da terra,
experiente de caminhos, em tudo era sábio!
Aonde estavam os poderes, foi averiguá-los,
de cada coisa extraiu um ápice de sabedoria.
O que era secreto encarou, o oculto trouxe à luz:
resgatou a memória de antes do Dilúvio.

[…]

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Fiquem por esta região

 por : Costa Pereira  Portugal, minha terra

Aí temos em grande a 2ª maior festividade afecta ao Santuário de NS da Graça que anualmente ocorre no Monte Farinha. Foi a Ascensão do Senhor, no último domingo de Maio; agora, no próximo dia 25, a romaria de São Tiago, e no 1º domingo de Setembro, a grande Peregrinação a Nossa Senhora da Graça. Do programa destacamos, do dia 25, por ser dia do romeiro, os horários das actividades:

Ás 07h00-Alvorada. Às 08h00 – Confissões.
Às 09h00 – Entrada da Banda de Zés P’reiras.
Ás 09h30 – Actuação de Rancho Folclórico.
Ás 10h15 – inicio da procissão no Largo de São Tiago (com recitação do Terço).
Às 11h00 – Missa Solene.
ÁS 12h00 – Procissão dos andores (com destino ao Santuário). Suplicas de adeus ao Sr. Santiago.
Das 13h00 às 15h00 de grupo folclórico.

A ordem e orientação do transito, como de costume cabem à GNR de Mondim
de Basto manter.
Aproveitem a romaria e fiquem por esta região que tem muito que ver e sabores para apreciar. Esperem pela chegado dos ciclistas da Volta a Portugal que no dia 8 de Agosto vem de Boticas vencer a etapa “Rainha da Volta”, no Monte Farinha ou Senhora da Graça.

Já fez um mês

Por: Costa Pereira -  Portugal, minha terra

Já fez um mês que se deu a tragedia de Pedrogão Grande e dos concelhos limítrofes, até aqui ainda não faltaram palmadinhas nas costas e de promessas que se vai dar resposta rápida ao drama de quem ficou sem familiares, haveres, emprego e empregadores. Mas finalmente viu-se agora o Sr. PR passar das palmadinhas às palavra diretas que não tem tido coragem dizer . Foi preciso ir ao México para de lá reconhecer que “Todos nós, que assumimos poderes públicos, temos de reconhecer com humildade que aquilo que é uma das funções [do Estado], que é a segurança das populações, não foi possível garantir cabalmente”. Como também concordo com o seu apelo no sentido de que nesta campanha eleitoral se fizesse “ um pacto eleitoral naquelas áreas para que se esqueça a campanha ou para que não se use esta tragédia até Outubro”. Pior é o reparo que fez Passos Coelho acusando o Governo de impor a “lei da rolha” aos serviços de proteção civil, acerca dos fogos. Citou: "Esse é o tempo que vivemos hoje, o tempo da demagogia política e é o tempo em que a política primeira, preferida, da maioria e do Governo é a da comunicação. Não vá a comunicação falhar, tivemos hoje notícia, provavelmente a última, de que a lei da rolha se deverá observar em matéria de serviços de protecção civil".  Quem te avisa teu amigo é.
Tudo isso de palmadinhas nas costas estaria conforme se não fosse as famílias de 64 vitimas mortais, um mês depois da tragédia continuarem à espera das ajudas do governo que temos. Se não fosse a Cáritas e a solidariedade do povo português, estavam bem aviados,  à espera que o tempo salvase a situação.
É verdade, não fora a generosidade do povo já tinham todos morrido à fome. A carta que transcrevo é bem elucidativa:

“Venho, por este meio, na qualidade de irmã da Sara Elisa Dinis Costa (mãe do menor de 7 anos, X), falecida no incêndio de Pedrógão Grande, questionar onde é que estão as ajudas tão apregoadas. Agradou-me o facto de ter recebido uma mensagem do Excelentíssimo Presidente da República, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, no funeral, mas por outro lado choca-me não ter sido contactada por ninguém com responsabilidades mandatado para o auxílio das vítimas. Também gostaria de saber qual o destino das doações recentemente efetuadas à ‘causa’ das vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande. Uma vida não tem preço e associado a esse facto há imensos custos inerentes a uma vida que se perde, bem como às vidas que ficam (não me estou somente a referir ao trauma com que o meu sobrinho, filho da minha falecida irmã, ficou, desde o conhecimento da morte da sua mãe mas também o trauma com que quer eu quer o meu marido ficámos).Fui eu que tive de me mexer para que ele tivesse tido apoio — fui eu que fui ao meu médico nos HUC, na cirurgia Cardiotorácica de Coimbra, pedir apoio psicológico, fui eu que arranjei um psicólogo para o meu sobrinho, ligando para o 112, e sou eu que estou ainda a gerir o seu trauma, uma vez que as consultas do psicólogo são caras. Temos uma maneira de não pagar tanto, mas que nos sobrecarrega a nível emocional... E entretanto, daqui a uns dias, faz precisamente um mês desde que a tragédia aconteceu e temos de nos levantar todos os dias.Também não entendo como ainda ninguém se propôs a pagar os funerais das vítimas, que foi o primeiro custo directo que se teve desta fatídica tragédia, uma vez que as doações em género efectuadas (graças à extrema solidariedade do povo português) serviram (e acredito que continuam a servir) perfeitamente para cobrir os custos mais urgentes.Vou contar um pouco acerca da situação da minha família:O filho da minha irmã, está connosco há cerca de 2 anos e meio, uma vez que a minha irmã não tinha condições psicológicas para tomar conta dele, tal como acontece com o seu pai. A minha irmã era estudante e nunca trabalhou ‘en continuum’ (sem descontos para a Segurança Social) e o seu pai, divorciado da sua mãe, tem problemas de dependências e possui trabalhos ocasionais. Desde o acordo de promoção e protecção que temos arcado com todas as custas da subsistência, educação, saúde e lazer, e aquando da solicitação do apadrinhamento civil do menor por mim e pelo meu marido estava, nesse contrato, o acordo de ambos os pais procederem ao pagamento de 75€/mês, para despesas dele. O apadrinhamento civil ainda não se encontra homologado pelo tribunal. Já nos foi apresentada a conta do funeral e, sendo um gasto extraordinário e não expectável, não temos como o pagar e a única ajuda seriam os 200 e poucos euros da Segurança Social.Não sou uma pessoa rica, apesar de os meus pais nos terem deixado bens, bens esses que não conseguimos vender ou tirar rendimento deles (alguns destruídos e danificados pelo fogo) e que são dispendiosos de manter. Encontro-me actualmente desempregada, sendo que os únicos rendimentos da minha família são os do trabalho do meu marido e do meu subsídio de desemprego desde Junho do presente ano (embora ainda não tenha recebido qualquer prestação de desemprego). Possuo uma incapacidade devido a problemas cardíacos e de AVC (de 61%), que não comprometem um normal ritmo de trabalho, desde que não haja trabalhos extraordinários ou em que se necessite de fazer deslocamentos que acresçam ao horário de trabalho (o que não acontece nas obras, trabalho que efectuei durante cerca de 10 anos).Todos os que nos conhecem (nomeadamente todos os da aldeia de Vila Facaia, da Vila de Castanheira de Pera e bancos) sabem que gostamos de cumprir com as nossas obrigações e felizmente conseguimos pagar praticamente todas as dívidas que o meu pai deixou aquando da sua morte (em 2013), e pretendemos também fazê-lo com as dívidas da minha irmã, pelo que não gostamos de ficar a dever nada a ninguém — estamos a dever o nosso apartamento ao banco, sendo essa a nossa única dívida. Possuímos somente uma pequena poupança, fruto do nosso árduo trabalho, e que já está destinada.Felizmente o meu marido aufere mais que 1,5xIAS, mas, devido a tal facto, o X não irá ter direito ao subsídio de orfandade e muito menos ao subsídio de morte (uma vez que a mãe não fez descontos).Por fim, pretendo dizer que as dívidas que as Santas Casas da Misericórdia espalhadas pelo país têm é real e o seu conhecimento é de âmbito nacional, pelo que solicito uma descrição pormenorizada da canalização dos fundos que está a ser executada, bem como de todos os orçamentos escolhidos, face aos solicitados.Como cidadã inconformada por esta morte, e como vítima desta tragédia, tenho direito em saber pormenores da canalização destas verbas, uma vez que tenho a cargo um menor que sofre todos os dias a perda da sua mãe.
E que estuda (e gasta inúmeros bens escolares); E que lê imenso (porque já sabe ler desde os seus 4 anos);E toma banho todos os dias;E que pertence a um clube de xadrez (do qual é campeão do 1º e 2º anos do ensino básico), pago (e cujo valor não entra no IRS);E que gasta luz e aquecimento, quando necessário, e cuja roupa é lavada todos os dias;E que tem AECS (pagas, e cujo valor não entra no IRS);E que come (ainda que gostássemos que comesse mais);E que vai à piscina 2 vezes por semana, porque é importante para o seu desenvolvimento global e harmonioso, bem como para a sua destreza física; E que usa roupas (muitas, porque os seus 7 anos não são estáticos e, como se trata de uma criança extremamente saudável, rasga umas calças a cada 15 dias);E que rompe em média umas sapatilhas por mês (em meses bons, pois ainda prefere a trotinete — em que pode travar com os pés - à bicicleta de rodinhas);E que vai a festas de anos (por ser um miúdo popular, vai ‘a todas’ e deve contribuir com um presente);E que precisa de ter actividades lúdicas e educacionais — muitas, porque se trata de uma criança deveras inteligente que necessita de resposta às suas perguntas e precisa que a sua inteligência seja estimulada; E que usa óculos (possui 8 graus de hipermetropia num olho e 7 graus da mesma incapacidade no outro, o que constitui óculos muito grossos - tentamos diminuir ao máximo o seu peso, tornando-se extremamente caros) que têm de ser mudados uma vez por ano (e tem de ter dois, porque dada a sua actividade e extrema ‘reguilice’ tem uns para brincar e outros para estudar);E que precisa ser deslocado, de carro, de autocarro, de comboio; E que rasga os joelhos (quando as calças estão rasgadas ou se usa calções) ou parte a cabeça ou apanha gastroenterites (e espero que se fique por aqui...).Agradeço uma resposta célere a este e-mail, pois possuo uma dívida de mais de €1300 para pagar, pelo funeral, fora gastos com psicólogos, transportes e burocracia para tratar de diversos assuntos que este fatídico incêndio provocou. Agradeço igualmente que me seja informado quem irá pagar a mensalidade que a minha irmã, mãe do X, iria ficar responsável de fazer, após a homologação do apadrinhamento civil, pois a lei não prevê tal pagamento.Não pretendo que o X sofra mais ou que seja estigmatizado pela morte da mãe. Ele está ainda a processar esta morte terrível, ainda dorme comigo e com o meu marido e chora todas as manhãs e todas as noites, quer antes de dormir, quer com pesadelos. Mais informo que criámos uma conta para o meu sobrinho, para que nós tenhamos possibilidade de o dotar de todas as ferramentas para que ele possa crescer. Almejamos que tenha, no futuro, a possibilidade de desenvolver a sua inteligência num curso superior, ou algo mais, pois acreditamos que ele tem todo o potencial para desenvolver a sua genialidade. Esta sua conta foi aberta com 175,50€ que o X tinha num porquinho mealheiro, de algumas ofertas que lhe foram dando entretanto (aniversários, ofertas de familiares e de um casal muito sensato e com bastantes conhecimentos, que o X gosta muito, e a quem faz muitas perguntas) e que, com esforço, conseguimos não mexer. A consulta dos movimentos desta conta (com as devidas justificações de levantamentos ) estará à disposição para os beneméritos que aqui depositem o seu contributo. Grata pela atenção dispensada ao presente e-mail,

Atenciosamente,
Ana Costa”